Entrou agosto e, à parte os briefings diários do COVID-19, o país parece ter ido de férias. Mas foi notícia esta semana que houve mais buscas domiciliárias e não domiciliárias no âmbito do processo das golas anti-fumo, aquelas golas que era suposto serem de proteção no combate aos incêndios mas eram afinal inflamáveis e que puseram o Ministro da Administração Interna, ao vivo, a cores e em direto, a bater numa esponja de um microfone a dizer que também era material inflamável e, portanto, perigoso em reportagem em incêndios.

Em causa estão alegados crimes de fraude na obtenção de subsídio, superior a 125 mil euros, corrupção passiva, participação económica em negócio ou abuso de poderes e branqueamento de capitais, num processo que tem constituídos sete arguidos, entre os quais o ex-secretário de Estado da Proteção Civil, Artur Neves e o presidente da ANEPC, Mourato Nunes, e que levou à demissão do adjunto do secretário de Estado da Proteção Civil, Francisco Ferreira.

Apesar de a Assembleia da República já ter entrado de férias, recebemos esta semana uma resposta ao nosso pedido de esclarecimentos sobre os funcionários pagos pelo Parlamento que prestam serviços nas sedes dos partidos.

Colocámos cinco perguntas à deputada Eurídice Pereira, que preside ao Conselho de Administração da Assembleia da República:
 
  1. Qual o número total de funcionários de apoio aos grupos parlamentares, deputados únicos representantes de partido político e deputados não inscritos, descriminado pelos grupos parlamentares e deputados onde prestam serviço?;
  2. Quantos dos funcionários de apoio mencionados no número anterior prestam funções fora das instalações da Assembleia da República, por exemplo (mas não apenas) destacados nas sedes partidárias?;
  3. Quais os mecanismos de controlo existentes na Assembleia da República relativos à recolha de informação e supervisão sobre onde prestam funções os funcionários mencionados no número 1?;
  4. Que nos faculte, caso exista, o suporte documental atestando os controlos mencionados no número anterior;
  5. Que nos faculte, para cada caso de funcionário destacado, cópia dos despachos de destacamento ou outros documentos que autorizam a prestação de tais serviços de apoio aos grupos parlamentares fora das instalações da Assembleia da República.

Na carta que nos foi remetida, a presidente do Conselho de Administração da Assembleia da República, através do secretário-geral do Parlamento, limitou-se a fazer referências à lei que regula o pessoal de apoio dos deputados, sem responder a qualquer das nossas perguntas, o que nos leva a concluir o pior: que o Parlamento simplesmente paga os salários ao pessoal de apoio indicado pelos partidos, sem fazer quaisquer controlos ou verificações sobre se estes funcionários estão a fazer de facto aquilo que a lei manda: apoiar os deputados e não fazer serviço aos partidos.

Queremos acreditar que o descontrolo não é a regra e acreditamos também que pedir respostas claras às nossas perguntas, ponto por ponto, não é pedir muito. Iremos seguramente insistir nas nossas questões e pedir mais esclarecimentos, porque o assunto é importante demais para “arquivar” sem respostas. Teremos novidades na próxima semana.

Recordamos que todos os partidos representados na Assembleia da República já recebem uma subvenção pública para custear despesas partidárias, pelo que o eventual desvio de fundos do Parlamento para o mesmo propósito configura um duplo financiamento partidário, à custa da qualidade do trabalho prestado pelos parlamentares, que veem o seu pessoal de apoio ser desviado para fins partidários externos à Assembleia.

Antes de terminar, recordamos as palavras de João Paulo Batalha, nosso presidente da Direção: “Os partidos já são financiados pelo Estado. Que venham depois abocanhar dinheiro da Assembleia da República para reforçar as suas máquinas partidárias, degradando a qualidade do trabalho parlamentar é, além de ilegal, eticamente inaceitável. Precisamos de garantias de que os serviços do Parlamento não estão a acobertar estes abusos”.

É também por isso que trabalhamos todos os dias.


Continua saudável, mantendo-te seguro/a, e tem um bom fim-de-semana.

Saudações Transparentes,

A Equipa TI-PT
 
 
Destaques
 
Contratação Transparente
 
Importante demais para deixar arquivar
 
Na resposta ao nosso pedido de esclarecimentos, a presidente do Conselho de Administração da Assembleia da República, limitou-se a fazer referências à lei que regula o pessoal de apoio dos deputados, sem responder a qualquer das nossas perguntas, o que nos leva a concluir o pior: que o Parlamento simplesmente paga os salários, sem fazer quaisquer controlos ou verificações sobre se estes funcionários estão a fazer de facto aquilo que a lei manda: apoiar os deputados e não fazer serviço aos partidos.
 
Lê mais
 
Notícias de dentro
 
 
Polícia Judiciária e Ministério Público fazem buscas no âmbito do processo das golas anti-fumo
 
Foram realizadas quatro buscas domiciliárias e seis não domiciliárias em diversos locais do país e inserem-se no inquérito “que investiga factos suscetíveis de integrarem fraude na obtenção de subsídio, corrupção passiva, participação económica em negócio ou abuso de poderes e branqueamento de capitais”.
 
Ler mais
 
 
 
Procuradora "meteu-se" com PS. Levou um empurrão
 
Escolhida por um júri internacional para a procuradoria europeia, Ana Carla Almeida não foi nomeada pelo governo. A magistrada do Ministério Público está a investigar casos que envolvem ex-Secretários de Estado.
 
Ler mais
 
 
 
Tribunal de Contas envia ao Ministério Público revogação das contrapartidas dos C-295
 
O incumprimento dos contratos de contrapartidas militares é recorrente em Portugal, em vários Governos. Os anunciados benefícios para a indústria nacional nunca se materializam e as penalizações por incumprimento são diminutas (quando chegam de facto a ser cobradas). O impacto visível destes mecanismos é encarecer os equipamentos de Defesa e tornar mais opacos os negócios.
 
Ler mais
 
Notícias de fora
 
 
MEPs have published over 8,000 lobby meetings, but the public is still in the dark
 
Uma nova atualização do EU Integrity Watch, da Transparency International, revelou que apenas cerca de 37% dos deputados do Parlamento Europeu publicaram online as reuniões com lóbistas desde o início desta legislatura, apesar de o Parlamento Europeu ter disponibilizado uma plataforma para o efeito.
 
Lê a história
 
 
 
OCCRP Concerned by Serbian Government’s Selective Inquiry into Investigative Journalism Outlets and Civil Society Organizations
 
A 13 de Julho, por razões ainda por esclarecer, a Unidade Anti-Branqueamento de Capitais do Ministério das Finanças da Sérvia enviou aos bancos sérvios uma lista de 57 pessoas e ONG, exigindo detalhes sobre todas as suas transacções desde janeiro de 2019. A KRIK e o OCCRP, cujos membros estão na lista, publicaram uma série de histórias que implicam Sinisa Mali, ministro das Finanças da Sérvia, no branqueamento de capitais e em esquemas alegadamente corruptos que remontam ao seu tempo como presidente da câmara de Belgrado.
 
Ler mais
 
O que ver na quarentena
Apanhados
 
Um retrato feito pelo jornalista António José Vilela dos principais casos de corrupção dos últimos anos em Portugal e das ligações nem sempre óbvias entre eles: Operação Furacão, Monte Branco e Operação Marquês. No centro de todos estes processos, há um fator comum: os milhões de euros escondidos através de complexos circuitos e entidades sediadas em offshores. 
 
 Vê estas e outras sugestões no nosso website.
 
Comprar
Acompanha o nosso trabalho
Vistos Gold
 
Sabe mais
 
APROFORT
 
Sabe mais
 
Transparência Hotspot
 
Sabe mais
 
Centro de Documentação e Informação Transparente
 
Sabe mais
 
 
Transparência e Integridade
Transparency International Portugal
Avenida Rio de Janeiro, 30-A, Piso 1 - 1700-336 Lisboa - PORTUGAL
Tel. +351 218873412 (Geral/ Office)

comunicacao@transparencia.pt
Facebook
Twitter
LinkedIn
Instagram
YouTube
 
 
TI-PT
 
 
 
This email was sent to
You received this email because you are registered with TI-PT
 
 
 
© 2020 TI-PT