António Costa anunciou esta semana que irá anunciar em setembro o pacote anti-corrupção, com medidas como tribunais mais especializados, colaboração premiada ou a separação de mega-processos.

Desde julho de 2019 que vimos alertando para a necessidade de o país adotar uma verdadeira Estratégia Nacional Contra a Corrupção. Uma sondagem de julho do ano passado, realizada pelo Instituto de Ciências Socias e do ISCTE, revelava que a Corrupção era cada vez mais uma preocupação dos portugueses, só atrás da Saúde.

Um estudo feito pelo Serviço de Pesquisa do Parlamento Europeu – departamento de pesquisa interno e think tank do Parlamento Europeu – estimava que, em Portugal, pelo menos 18 mil milhões de euros se perdem para a corrupção... um valor que representa 7,9% do PIB.

A propósito deste anúncio do primeiro-ministro, o Observador fez as contas sobre o que daria para pagar este valor:
 
  • É mais de 10 vezes superior ao orçamento dirigido ao apoio a desempregados, cerca de 1,8 mil milhões de euros;
  • Supera o orçamento para a área da Saúde: cerca de 16,1 mil milhões de euros;
  • Representa cerca de 80% do orçamento para cuidados com idosos: cerca de 22,4 mil milhões de euros;
  • Multiplica por nove o orçamento atribuído às polícias e às famílias e às crianças: quase 1,9 mil milhões de euros;
  • É 314 vezes superior ao orçamento para políticas habitacionais: 58 milhões de euros;
  • É sete vez superior ao orçamento para doenças e invalidez: cerca de 2,4 mil milhões de euros; e
  • Representa o dobro da verba anual alocada à Educação: 8,7 mil milhões de euros.

No entanto, a corrupção não se combate com medidas avulsas e descoordenadas. Portugal precisa de uma Estratégia Nacional Contra a Corrupção adotada na sequência de um debate amplo, participado e informado e com prazos de implementação definidos e de impacto mensurável.
 
Ficamos a aguardar pela proposta do Governo, mas esperamos que contemple os cinco pilares que definimos na nossa Estratégia Nacional Contra a Corrupção, já apresentada ao Parlamento, a saber:
 
  1. JUSTIÇA, garantindo a independência, capacitação e meios legais e materiais do sistema judicial para combater a corrupção, punindo os responsáveis e recuperando os ativos;
  2. POLÍTICA, reforçando a aplicação efetiva de exigentes padrões de conduta, de regulação ética e de financiamento político;
  3. ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, garantindo a sua independência face a riscos de captura partidária e dotando-a de meios para defender intransigentemente a legalidade e o interesse público na condução dos assuntos do Estado;
  4. SOCIEDADE, garantindo um acesso simples e eficaz dos cidadãos à informação pública e reforçando os mecanismos participação cívica e de escrutínio à ação dos eleitos, nas várias esferas de Governo; e
  5. SETOR PRIVADO E REGULADORES, reforçando os mecanismos de compliance e prestação de contas das empresas e organizações e promovendo autoridades reguladoras independentes, exigentes e atuantes.

Isto porque medidas circunscritas a mudanças na lei penal não são o que uma Estratégia Nacional Contra a Corrupção deve ser. Política de "pacote" não é suficiente. Precisamos de reformar as instituições e reinventar a relação dos cidadãos com a democracia.
 
É cedo para avaliar as medidas já avançadas na comunicação social, mas a iniciativa do Governo mostra que a pressão da sociedade civil dá frutos.
 
A criação do grupo de trabalho responsável por desenhar estas propostas foi anunciada no mesmo dia em que a Transparência e Integridade apresentou na Assembleia da República a petição que promovemos exigindo uma Estratégia Nacional Contra a Corrupção e que teve o apoio de mais de 8.500 cidadãos. A apresentação do pacote de medidas do Governo, em setembro, deverá coincidir com a discussão da nossa petição no plenário do Parlamento. Vale a pena pressionar os poderes.
 
Do mesmo modo que contribuímos para empurrar os responsáveis políticos para proporem medidas concretas contra a corrupção, cá estaremos para avaliar o trabalho que for apresentado. Vamos ficar, pois, atentos e insistir que um combate eficaz contra a corrupção não passa só pela Justiça – que deve ser a última, e não a única, linha de defesa.

 
Continua saudável, mantendo-te seguro/a, e tem um bom fim-de-semana.
 
Saudações Transparentes,

A Equipa TI-PT
 
Destaques
 
Contratação Transparente
 
Vale a pena pressionar os poderes
 
António Costa anunciou esta semana que irá anunciar em setembro o pacote anti-corrupção, com medidas como tribunais mais especializados, colaboração premiada ou a separação de mega-processos.
 
Lê mais
 
Notícias de dentro
 
 
Corrupção. O que propõe o novo plano para impedir a perda anual de 18,2 mil milhões de euros?
 
Grupo de trabalho aprova mecanismos de justiça negociada. Privados poderão vir a ter planos de prevenção contra a corrupção e canais próprios de denúncia para uso dos funcionários e clientes.
 
Ler mais
 
 
 
Deloitte só apresenta conclusões preliminares da auditoria. Fundo de Resolução diz a Novo Banco para parar vendas
 
A auditoria à gestão de 18 anos do antigo BES e do Novo Banco ainda não tem uma versão final, nem data para a sua disponibilização. A um dia do fim do prazo final dado pelo Governo, 31 de julho, o Ministério das Finanças foi informado de que esta sexta-feira serão apresentadas as conclusões preliminares pela Deloitte ao comité de acompanhamento operacional.
 
Ler mais
 
 
 
Transparência e Integridade denuncia ameaças aos direitos LGBTI na Guiné Equatorial
 
Novo projeto de lei sobre a prostituição e os direitos dos homossexuais na Guiné Equatorial é inconstitucional e deve ser retirado. É a avaliação de especialistas, que apontam discriminação com base na orientação sexual.
 
Ler mais
 
Notícias de fora
 
 
Angola claims victory in axed port deal signed with dos Santos company
 
Um tribunal de Paris arquivou o processo de Isabel dos Santos contra o estado de Angola por um projecto portuário de mais de 1,2 mil milhões de euros e ordenou que a empresária angolana pagasse quase 200 mil euros de custas judiciais.
 
Lê a história
 
 
 
Argentina Confronts its Multi-Billion Dollar Offshore Wealth Problem
 
Enquanto renegoceia a dívida pública superior a 54,7 mil milhões de euros com os credores internacionais, a Argentina vê-se a braços com um valor seis vezes superior depositado em várias contas e empresas offshore.
 
Ler mais
 
O que ver na quarentena
Os Homens do Presidente
 
Os jornalistas Bob Woodward e Carl Bernstein, do The Washington Post, revelam os detalhes do escândalo de Watergate, que acaba com o impeachment e demissão do presidente norte-americano Richard Nixon. Este filme mostra a quantidade de informação, pessoas e eventos que os jornalistas muitas vezes têm de decifrar para encontrar a verdade numa investigação.
 
 Vê estas e outras sugestões no nosso website.
Acompanha o nosso trabalho
Vistos Gold
 
Sabe mais
 
APROFORT
 
Sabe mais
 
Transparência Hotspot
 
Sabe mais
 
Centro de Documentação e Informação Transparente
 
Sabe mais
 
 
Transparência e Integridade
Transparency International Portugal
Avenida Rio de Janeiro, 30-A, Piso 1 - 1700-336 Lisboa - PORTUGAL
Tel. +351 218873412 (Geral/ Office)

comunicacao@transparencia.pt
Facebook
Twitter
LinkedIn
Instagram
YouTube
 
 
TI-PT
 
 
 
This email was sent to
You received this email because you are registered with TI-PT
 
 
 
© 2020 TI-PT