Ocultar informação desta natureza é um retrocesso na transparência e o Tribunal Constitucional está a fazer uma interpretação abusiva da lei para restringir ainda mais o acesso, mais ainda do que a própria lei já restringe. ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ ‌ 

Put your preheader text here. View in browser

Real Estate logo

13 de novembro de 2020

Até à aprovação da Lei 52/2019, na anterior legislatura, os titulares de cargos políticos e altos cargos públicos tinham de apresentar três declarações diferentes:


  1. Registo de interesses, publicado no site do Parlamento;
  2. Declaração de património e rendimentos, depositada no Tribunal Constitucional; e
  3. Declaração de honra em como não tem quaisquer incompatibilidades para o exercício do cargo, à guarda do Tribunal Constitucional ou da Procuradoria-Geral da República, consoante se tratasse de um titular de cargo político ou de alto cargo público. 


O registo de interesses estava online no site do Parlamento; a declaração de património e rendimentos tinha de ser consultada presencialmente no edifício do Tribunal Constitucional; e as declarações de incompatibilidades ficavam arquivadas naquele tribunal ou na Procuradoria-Geral da República.


A nova lei 52/2019 veio fundir estas três declarações numa só, que ficará depositada na nova Entidade da Transparência, que ainda não foi formalmente criada (está na lei, mas ainda não saiu do papel) e que criou regras novas de publicitação. A parte da declaração que tem a ver com o registo de interesses continuará publicada e acessível online no site da referida Entidade da Transparência e no site da instituição onde o titular de cargo político exerce funções, seja no Parlamento, no Governo, numa Câmara Municipal, etc..


No entanto, parte da declaração que se refere ao património e rendimentos vai continuar vedada, na medida em que vai continuar a ser necessário ir fisicamente à Entidade da Transparência para poder consultá-la. Também será possível aceder à declaração online, através de certidão digital de acesso, temporária e limitada à declaração ou declarações a que se pediu para ter acesso. Para tal, é preciso fazer o pedido, justificando.


No regime anterior era necessário ir presencialmente ao Tribunal Constitucional para consultar a declaração. Imagina só o que era para um cidadão das regiões autónomas ou qualquer região fora de Lisboa ter de dirigir-se à capital para consultar a declaração do seu presidente de câmara. Antes de 2019, era possível ter acesso e consultar os dados todos, ainda que apenas presencialmente. Agora, a lei restringe a consulta de parte vital da informação.


Ou seja, anteriormente, a quem ia ao Tribunal Constitucional mostravam a declaração original. Agora, segundo os jornalistas da Sábado, mesmo presencialmente, os serviços mostram uma cópia rasurada.


O problema é que, além da informação que a Lei 52/2019 oculta, o Tribunal Constitucional pode estar a ir mais longe do que a própria lei. Eliminar o nome do escritório de advogados onde alguém trabalhou não nos parece que tenha alguma coisa a ver com o sigilo profissional ou com a proteção de dados pessoais. É um abuso.


“Dados sensíveis como moradas, matrículas de automóveis, naturalmente implicam riscos para o titular ou a família, faz sentido estarem ocultos. Agora, o nome das empresas onde a pessoa trabalhou ou informações sobre ativos e passivos financeiros de um político? Interessam (e muito)”, defende Susana Coroado, presidente da Transparência e Integridade, em declarações à revista Sábado desta semana (edição física, p. 17).


 “É um enorme passo atrás e inverte completamente o espírito da própria lei”, continua Susana Coroado, na medida em que jornalistas e cidadãos precisam de ter acesso a este tipo de informação para poderem fazer o devido escrutínio do poder político: “Já percebemos que o poder político não faz qualquer tipo de controlo. E, se o faz, é um controlo burocrático”.


“Esta lei devia chamar-se regime de ocultação”, remata a presidente da Transparência e Integridade.


Ocultar informação desta natureza é um retrocesso na transparência e o Tribunal Constitucional está a fazer uma interpretação abusiva da lei para restringir ainda mais o acesso, mais ainda do que a própria lei já restringe.




Continua saudável, mantendo-te seguro/a.

Saudações Transparentes,

A Equipa TI-PT

Lei dos titulares políticos devia chamar-se regime de ocultação


Ler mais

Ocultar informação desta natureza é um retrocesso na transparência e o Tribunal Constitucional está a fazer uma interpretação abusiva da lei para restringir ainda mais o acesso, mais ainda do que a própria lei já restringe.

Não recebemos qualquer subsídio do Estado português para cumprir a nossa missão. O trabalho que fazemos depende exclusivamente de contribuições financeiras de associados/as (quota anual em 2020 = 12€), de donativos de simpatizantes da causa, e de subvenções para a realização de projetos.

Por isso, o teu contributo faz toda a diferença.

NOTÍCIAS DE DENTRO

Diretora Executiva da TI-PT eleita para o Comité de Acreditação da Transparency International


Karina Carvalho, Diretora Executiva da Transparência e Integridade, foi eleita este fim-de-semana para o Membership Accreditation Committee, órgão consultivo da Transparency International, organização mundial de combate à corrupção.

Ler mais

E se... o Governo divulgasse todas as reuniões com as empresas?


João Galamba revelou a sua agenda em torno do hidrogénio. Susana Coroado, presidente da Transparência e Integridade, aplaude a iniciativa. Deveria essa prática ser regra? Com que balizas?

Ler mais

Novo relatório APROFORT identifica atrasos persistentes no plano anticorrupção da Guiné Equatorial


A Transparência e Integridade e a EG Justice monitorizaram o plano anticorrupção e verificaram que o governo cumpriu apenas 20% das medidas estabelecidas pelo acordo com o FMI.

Ler mais

Marcelo: Novas regras de nomeação para Banco de Portugal ficam “aquém” do esperado e reforçam poder do Governo


Presidente da República promulga, com críticas, legislação saída do Parlamento sobre nomeação de membros do conselho de administração do supervisor da banca – aquela que, sem sucesso, tentou evitar ida de Centeno para governador. As farpas são lançadas quando há várias nomeações a fazer para o Banco de Portugal.

Ler mais

NOTÍCIAS DE FORA

Financial scandal: Pope moves against secretariat of state

O Papa Francisco deu três meses aos altos funcionários das finanças do Vaticano para transferirem as suas participações financeiras para outro gabinete, depois de ter alegadamente estragado a gestão de centenas de milhões de euros em donativos e investimentos, que são agora objecto de uma investigação de corrupção.

Ler mais

Goldman Sachs to pay $3bn over 1MDB corruption scandal

O banco de investimento pagará um montante recorde por violação das leis de suborno no caso de corrupção do 1MDB.

Ler mais

'His Murder Is Necessary': Man Who Exposed Kyrgyz Smuggling Scheme Was Hunted by Contract Killers

Um membro de uma rede criminosa de branqueamento de capitais contou aos jornalistas o que sabia sobre um império de contrabando secreto e um alto funcionário quirguize que o permitiu. Agora, documentos divulgados lançam luz sobre o seu assassinato chocante.

Ler mais

SUGESTÕES DA SEMANA


The 19th International Anti-Corruption Conference

O maior fórum global que reúne chefes de Estado, sociedade civil, sector privado e organizações de todo o mundo para acabar com a corrupção.

Mais informação >

PROJETOS E CAMPANHAS